endometriose

as minhas pernas não existem mais
depois que o sangue escorreu
gota por gota ele desceu
pouco e insuficiente
para fazer transbordar o seu copo
cheio de silêncio

as suas doses diárias não devem chegar
a uma quantidade satisfatória
pois algumas palavras como exagero
[e frescura
continuam sendo ditas
nos melhores e mais esforçados tons
[de deboche

como posso me sentir viva
se a dor é a única coisa
que ainda não morreu em mim
[????

quatro interrogações mentais
talvez não sejam capazes
de representar toda a comunidade médica
e seus parceiros
senhores farmacêuticos
tão sumidos e alheios
quanto as suas causas

talvez se cada órgão seu fosse estrangulado
ou até mesmo asfixiado pela sensação
[de impotência
ou se lhes enfiassem uma faca
abaixo do umbigo
que lentamente te cortasse
– pois teria de ser amolada

você gritaria

ou desejaria que arrancassem toda a sua masculinidade
mas isso é somente uma doença de mulher.

Anúncios

os sonhos de Gabriela

eu não consigo entender quando você
que sempre acompanha os meus olhos de futuro
pronuncia as seguintes palavras:
“queria saber sonhar”

enquanto me chama por dentro
nossos pensamentos se encontram
e te ocupo por inteira, nunca por igual
nos poucos segundos em que você
olha o vazio diante da tela do computador

escolhemos as cores e mentalmente
pintamos de azul e amarelo
as paredes que provocaram dor e cansaço
em nossas pernas de dançar junhos
ainda que fora dos seus ouvidos
não seja possível ouvir a música.

nove poemas

quando me recordo de você
não penso em coisas
como a roupa
que você usava
no dia em que te conheci
evoco a sua pele
tocada incansavelmente
por quem não poderia
reviver o seu cheiro

então eu te passeava
fazendo bicicleta
com as mãos
e com os pés em você
corria
um trajeto por dia
até descobrir
que meu corpo finalmente
aprendeu a caminhar
devagar
e pouco a pouco
subiam e desciam as pernas
que nem gostavam
de percorrer ladeiras.

o cheiro que habita o canto
atrás da sua orelha esquerda
e a distância exata entre a
ponta dos meus dedos e a sua
pele com meus pés deslizando
pelas suas pernas em baixa
v e l o c i d a d e
enquanto o quarto nos tranca
e abafa nosso calor capaz de
acender uma espécie inteira
e provocar incêndios mentais
que me fizeram queimar uma
panela novinha cheia de feijão.

depois de
cinquenta e dois domingos
você decide romper com a ilusão
pois os outros dias te enganam
como as revistas e as suas capas
e as bocas de traços perfeitos
das propagandas de batom
mas os domingos são verídicos
feito aquele batom roxo
que eu passo todo borrado
feito a saudade
que grita sozinha
dentro das populações
feito o barulho que ela faz
capaz de te fazer vomitar
e você tenta colocar pra fora
a própria ilusão
mas ela te ilude ao ficar
quando manda poemas em seu lugar.